Review

Sonic Origins: vale a pena?

Quatro clássicos de Mega Drive/SEGA Genesis estão revitalizados, sendo um prato cheio para os nostálgicos

por André Custodio
Sonic Origins: vale a pena?

Apesar de fazer 31 anos em 2022, Sonic continua sendo um dos personagens mais populares da história dos games. Recentemente, o lançamento de um novo filme e a expansão para assuntos multimídia — como as HQs — provaram o momento de alta vivido pelo herói. E agora, Sonic Origins chega para afirmar que sempre há tempo para relembrar suas histórias.

Com quatro jogos — Sonic The Hedgehog 1, Sonic the Hedgehog 2, Sonic 3 & Knuckles e Sonic CD — e muitas novidades, a aposta da SEGA combina nostalgia e modernidade. Para isso, a publisher japonesa manteve a essência das clássicas obras do Mega Drive/SEGA Genesis e implementou mudanças pontuais, a fim de agradar todos os públicos.

Correr ao lado de Sonic e de seus amigos continua divertidíssimo e garante muitos momentos empolgantes. Fãs mais antigos certamente terão suas almas tocadas pelas cores vibrantes, trilha sonora e desafios pontuais da época dos clássicos, enquanto os novatos poderão se desafiar em alta velocidade e explorar modos inéditos de jogo.

As aventuras do velocista estão de volta com as histórias nostálgicas e embates contra Knuckles, Metal Sonic e Dr. Eggman (Robotnik). Cenários como Green Hill, Star Light, Scrap Brain também retornam, agora em formato remasterizado e com os detalhes muito mais vivos.

Mas será que isso é o suficiente, especialmente devido à onda de remasters e remakes vivenciada pelas fabricantes atuais de jogos?

Sonic Origins: o Sonic 4 em 1

Sonic Origins deve ocupar bastante tempo de jogadores mais dedicados. Isso porque, além de contar com quatro jogos completos, ainda inclui modos inéditos, como Desafios de Chefões, Esferas Azuis (apenas em Sonic 3 & Knuckles), Modo Missão — Atos com regras especiais — e uma campanha única com todas as histórias da coletânea (Modo História).

Os jogos também estão disponíveis com a resolução original (tela 4:3) e oferecem mais desafios caso sejam testados no Modo Clássico. Diferentemente do Modo Aniversário (tela 16:9), ele não tem “continue” ilimitados: existe o “Game Over”, que apaga todo o progresso caso os jogadores percam suas vidas.

tails planando em cidade de sonic origins
Fonte: André Custodio

Assim como nos games originais, as remasterizações contam com estágios secretos valendo 50 anéis, coleta de esmeraldas, chefões no final dos atos e eventos in-game. Além disso, uma das grandes novidades fica por conta da implementação de cenas animadas exclusivas — todas desenhadas com estética de anime e reveladas no início de cada campanha.

animação de sonic
Fonte: André Custodio

As cenas estão bem legais e aprofundam uma história considerada bastante superficial e simplista. A sacada da SEGA foi interessante para introduzir um plano de fundo para o gameplay e deixá-lo menos “solto” ou sujeito a interpretações muito subjetivas. Isso porque, nas versões clássicas a trama ocorre apenas a partir de situações de jogo, como no momento no qual Amy é sequestrada por Metal Sonic ou nos encontros com Robotnik, por exemplo.

Fator replay de peso

Sonic Origins conta com um alto fator replay e estimula os jogadores a repetir fases, testar modos de jogo e explorar mistérios presentes nos atos. Para a jogatina, é possível experimentar mecânicas diferentes caso Knuckles, Sonic ou Tails sejam escolhidos. Sonic the Hedgehog 2 e Sonic 3 & Knuckles também contam com coop para dois personagens — apenas bot — e competitivo local para dois participantes.

Segredos nos modos Aniversário/História e Missão dão direito a moedas, que podem ser utilizadas para jogar novamente estágios especiais perdidos ou comprar peças de arte no Museu. A galeria inclui dezenas de Áudios, Ilustrações e Filmes, distribuídos em conteúdos da Coleção Normal e da Coleção Premium.

imagem de revista de sonic origins
Fonte: André Custodio

Os colecionáveis aparecem durante o gameplay, mas estão escondidos nas fases e requerem atenção para serem achados. Caso eles sejam identificados, o Museu automaticamente os reconhecerá e contabilizará para visualização. Assim, experimentar novos caminhos e buscar rotas alternativas permitirá encontros inéditos e mais surpresas.

Felizmente, as campanhas dos quatro jogos não são extensas, durando em média de duas a três horas. Com isso, tudo fica menos cansativo e mesmo as frustrações são facilmente contornadas, visto que a dinâmica dos mapas é estática e permite um aprendizado mais rápido a partir do erro. Porém, como cada item travado do Museu custa cinco moedas, é desgastante obter os 100%.

Aspectos técnicos limitados

Apesar de Sonic Origins estar disponível em versões para PS4 e PS5, não há grandes inovações técnicas em relação ao suporte a hardwares. No console de nova geração, um detalhe especial que vale a pena ser mencionado é a incrível velocidade do tempo de carregamento. No game, todas as transições entre menus são instantâneas, independentemente se for navegação em um mesmo jogo ou entre vários.

O Modo Aniversário corrige a performance dos jogos para 60 FPS e garante resolução em 4K e fullscreen. Já o Modo Clássico também traz suporte às funcionalidades, mas reduz as dimensões da tela para um formato semelhante ao quadrado. Veja abaixo um comparativo:

Nas configurações do jogo, as opções se resumem a poucas especificações de áudio e tela. Como não há quaisquer recursos de acessibilidade, jogadores novatos podem sentir dificuldades, tanto por conta da intensidade de cores e velocidade de progressão quanto pelas mecânicas de movimento ainda travadas.

No menu, é possível acessar tutoriais e rever os comandos e dicas, mas sem maior aprofundamento. Dessa forma, as sugestões são mais teóricas que práticas e incomodarão quem não consegue pegar os controles de primeira vez, principalmente devido à grande quantidade de informações na tela.

Por fim, o título conta com suporte completo para português brasileiro e outros 11 idiomas.

Sonic Origins: vale a pena?

Sonic Origins vale muito a pena para fãs da franquia e traz uma nova oportunidade para revisitar os clássicos, com mais opções de jogabilidade e uma experiência consideravelmente mais robusta. Entretanto, entusiastas de jogos mais recentes e acessíveis podem se incomodar com a simplicidade visual e com a necessidade de dominá-los para ir além.

Por incluir um catálogo de títulos antigos, o game naturalmente roda bem em consoles de nova geração. Porém, suas configurações em aspectos técnicos são extremamente limitadas e não possibilitam ajustes significativos em gráficos, performance, efeitos ou filtros de acessibilidade — controle e imagem.

Outro problema fica por conta do preço elevado, especialmente por ser apenas um remaster — sem grandes novidades visuais — de jogos lançados há quase 30 anos. Na PS Store, a versão Standard de Sonic Origins custa R$ 214,90, enquanto a edição Digital Deluxe sai por R$ 239,90 e oferece dois complementos, além do game base.

Veredito

Sonic Origins
Sonic Origins

Sistema: PlayStation 5

Desenvolvedor: SEGA

Jogadores: 1 ou 2

Comprar na Amazon
75 Ranking geral de 100
Vantagens
  • Resolução gráfica para todos os públicos
  • Modos de jogo com alto fator replay
  • Inclui quatro dos melhores clássicos da franquia
  • Museu e desbloqueáveis que estimulam a progressão e novas runs
  • Desempenho geral excelente no PS5
  • Novos conteúdos de história exclusivos
Desvantagens
  • Mecânicas de jogo com poucos ajustes
  • Preço fora da realidade da categoria
  • Acessibilidade injusta
  • Simplicidade visual sem grandes inovações
André Custodio
André Custodio
Redator
Publicações: 693
Jogando agora: Tales of Berseria
Redator fã de RPG, soulslike e jogos que fazem rebolar o controle no chão. Larguei FIFA por motivos pessoais (ruindade) e curto platinar uns single player com 120 horas de jogatina.