Review

It Takes Two: vale a pena?

Nova obra de Josef Fares aposta em mecânicas ousadas e inovadoras e enredo cativante para tocar e divertir o jogador

por Thiago Barros
It Takes Two: vale a pena?

Somos melhores juntos. Esse é o recado de It Takes Two.

Por muitas vezes, quando há discordâncias, optamos por nos separar. Só que, como dizia Tom Jobim, “é impossível ser feliz sozinho”. Em uma era de cultura do cancelamento e de relacionamentos indo por água abaixo por pensamentos diferentes, Josef Fares e Hazelight Studios trazem uma nova luz não só aos games, como à sociedade.

Três anos atrás, a história era de dois caras querendo fugir da cadeia, em A Way Out. Hoje, é um casal tentando solucionar os problemas de seu matrimônio e evitar um divórcio. Mas a essência é a mesma. Unir-se em torno de um objetivo e ficar ao lado de quem se ama não parece muito mais legal do que ficar brigando por nada?

E, não, não é só uma história fofinha. It Takes Two é um ótimo jogo também!

O amor está no ar, vai conquistar seu coração

O enredo é o que prende os jogadores ao game. Você e sua dupla assumirão o papel de Cody e May, um casal que está brigando muito e a ponto de se divorciar. Mas eles são transformados em bonecos por um feitiço, como um pedido de socorro de sua filha. Para voltarem aos seus corpos reais, eles precisam trabalhar juntos para salvar seu relacionamento.

It Takes Two permite escolher entre dois personagens (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

Tudo isso acontece com a tutela de um “livro mágico”, do guru do amor Dr. Hakim, e passando por cenários e situações inacreditáveis – e extremamente divertidos/desafiadores. Desde ter que “escalar” um aspirador de pó até salvar uma caixa de ferramentas ou entrar numa árvore para acabar com uma infestação de vespas.

Os diálogos e cutscenes são ótimos tanto para refletir quanto para dar risada. É tudo muito bem equilibrado numa linha tênue entre, sim, conscientizar a todos que somos melhores juntos, e também em ironizar brigas que todo casal tem. Se você jogar em casal, certamente irá se identificar em vários momentos.

Livro mágico é um personagem super divertido em It Takes Two (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

A ambientação de It Takes Two também merece elogios. Mesmo com a história se passando somente em uma casa, o trabalho de level design e a construção dos personagens são dignos de aplausos. Os diferentes locais, elementos e aliados/inimigos que Cody e May vão achando pelo caminho são bem construídos, a trilha sonora também ajuda e há legendas em português (mas não dublagem).

É difícil demais não se deixar envolver por mais essa trama de Josef Fares. Sim, o amor está no ar e vai conquistar seu coração.

É segredo, não conto a ninguém…

Mas não se deixe enganar pelo jeito “fofinho” do jogo. Os desafios são reais. A variedade de puzzles e até de mecânicas na jogabilidade faz com que It Takes Two seja não apenas uma história envolvente, como também um baita exemplo de como um gameplay cooperativo bem montado pode ser divertido e desafiador.

Cutscenes de It Takes Two são bem construídas (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

Você nunca sabe o que vem a seguir. São diversas mecânicas muito interessantes – e que só deixam a desejar no PS5 por não haver mais possibilidades com os múltiplos recursos do DualSense. Parecia um jogo perfeito para isso, mas que provavelmente foi feito para o PS4, com apenas um leve upgrade na nova geração, o que é uma pena.

Ainda assim, vale destacar (e muito) as infinitas possibilidades de se aventurar com Cody e May. Correr, pular, voar, usar cordas, atirar, enfim… Tudo isso numa enorme variedade de cenários, contra diferentes inimigos e com muitos objetivos super criativos, divertidos e, claro, de quebrar a cabeça em certos pontos.

Coop com tela dividida de It Takes Two é super divertido (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

Se você gosta de Carnaval, mais especificamente do Rio de Janeiro, já notou que os entretítulos desse review são baseados em sambas-enredo, não é mesmo? Afinal, a criatividade de It Takes Two parece até um desfile de Paulo Barros. A Unidos da Tijuca de 2010. Uma surpresa atrás da outra. E é bom demais ter coisas diferentes e marcantes assim de vez em quando.

Outro ponto super interessante é que, além da história tradicional, em que os personagens devem se ajudar por um bem comum, ainda existem alguns minigames escondidos (outros nem tanto) pelo caminho. Nesses, é competição. Como um cabo de guerra, por exemplo, onde quem apertar o triângulo mais rápido derrota o outro. É muito bacana!

It Takes Two também tem minigames Cody x May (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

Quando o diretor Josef Fares disse que o game deveria ganhar um “recorde mundial de mecânicas”, ele não estava brincando. É um jogo de plataforma inovador, muito agradável e que realmente “precisa de dois” para ser aproveitado. O coop não é uma opção, mas sim uma obrigação – e sem dúvidas deixa tudo ainda mais incrível.

E o melhor de tudo: como estamos vivendo tempos de isolamento social, dá para jogar cooperativamente com um amigo online, usando apenas o Passe de Amigo – sem que ele precise comprar o jogo. Claro, se você tem uma pessoa para se divertir ao seu lado, a experiência fica bem mais legal, mas também é possível aproveitar esse benefício.

It Takes Two: vale a pena?

Já que falamos um pouco de Carnaval, que tal usar alguns quesitos para dar notas a It Takes Two antes de dizer se vale a pena ou não?

  • Enredo:9,5
  • Alegorias e Adereços e Fantasias (Gráficos): 9
  • Samba-Enredo (Trilha Sonora e Localização): 8,5
  • Harmonia e Evolução (Jogabilidade): 9,5
  • Mestre-Sala e Porta-Bandeira (Personagens): 9,5

A história e os personagens são bem interessantes, mas o baixo fator replay, a falta de funcionalidades do DualSense e a ausência de uma dublagem para o português do Brasil pesam um pouco o julgamento. No visual, os cenários e os personagens principais são ótimos, mas outros ficam devendo um pouquinho.

Somos melhores juntos! (Foto: Reprodução/Thiago Barros)

No geral, de qualquer forma, It Takes Two é, sim, um jogo muito recomendado. A narrativa envolvente e as variadas mecânicas para os jogadores conduzirem Cody e May são incríveis. A pegada coop é excelente! Sem contar que ele não tem um “preço cheio” (sai por R$ 198,90 na PlayStation Store) e ainda te dá a possibilidade de convidar um amigo de graça.

GOTY? Ainda é cedo para dizer, mas já dá pra cravar, sim, que é uma das gratas surpresas de 2021.

Veredito

It Takes Two
It Takes Two

Sistema: PlayStation 4 | PlayStation 5

Desenvolvedor: Hazelight Studios

Jogadores: 2

Comprar na Amazon
90 Ranking geral de 100
Vantagens
  • História envolvente, emocionante e divertida
  • Gráficos muito bonitos e dentro da proposta
  • Variedade de mecânicas, cenários e desafios
  • MInigames além da história são bem legais
Desvantagens
  • Não possui dublagem em português do Brasil
  • Pouco uso dos recursos do DualSense
  • Fator Replay não é lá dos maiores
Thiago Barros
Thiago Barros
Editor-Chefe
Publicações: 1.828
Jogando agora: F1 2021
Jornalista, teve PS1, pulou o 2, voltou no 3 e agora tem o 4, o 5 e até o PSVR. Acha God of War III o melhor jogo da história do PlayStation.