Review

Capcom Fighting Collection: vale a pena?

A coletânea de jogos de luta da Capcom oferece nostalgia e games em alta resolução, mas será que é o bastante?

por Jean Azevedo
Capcom Fighting Collection: vale a pena?

Muitas publishers vêm apostando em remakes e remasters nesses últimos anos, e com Capcom Fighting Collection não é diferente. E ao focar em um público apaixonado por jogos de luta, a coletânea acerta em cheio no coração dos veteranos. Quem se divertiu com eles no fliperama ou nos consoles antigos, vai adorar.

Por outro lado, a galera novata do nicho deve sentir falta de mais conteúdo.

A obra conta com dez jogos — em versão americana e japonesa — e até oferece várias opções em filtros e resoluções para os jogadores aproveitarem os clássicos, além de recursos como modo treino, museu e jogabilidade online. Só que, claramente, é uma experiência focada em quem viveu ou é muito ligado em games assim. Sem inovações.

Capcom Fighting Collection - capa

Vale destacar que Capcom Fighting Collection no PS5 roda via retrocompatibilidade com a versão de PS4 — ou seja, não espere interações com o DualSense. Não é um jogo dessa geração, mas sim da anterior. E isso fica bem claro ao longo do gameplay. 

Os jogos de Capcom Fighting Collection

A Capcom Fighting Collection foi elaborada com o intuito de entregar uma experiência renovada e recheada de extras. Para deixar a coletânea rica em conteúdo, dez jogos foram escolhidos para compor o line-up.

A série Darkstalkers

Após surgir nos arcades em 1994, a série Darkstalkers marca presença em Capcom Fighting Collection com algumas surpresas. Dois dos jogos da franquia não eram comercializados fora do Japão, mas estão incluídos na coletânea. Confira:

  • Darkstalkers: The Night Warriors
  • Night Warriors: Darkstalkers’ Revenge
  • Vampire Savior
  • Vampire Hunter 2 — Anteriormente indisponível fora do Japão
  • Vampire Savior 2 — Anteriormente indisponível fora do Japão

Red Earth

Se Darkstalkers era exclusivo do Japão, a situação de Red Earth é muito diferente. O jogo nunca foi lançado para consoles até então, mas fará sua estreia fora dos arcades com a coletânea.

Cyberbots: Fullmetal Madness

Um jogo de luta diferente dos demais acima. Com uma temática mecha e robôs lutadores conhecidos como Variant Armors. 

Super Puzzle Fighter II Turbo

Aqui, quem gosta de personagens em versão chibi, uma representação mais “fofa” dos lutadores, e é fã de Street Fighter se sentirá bem servido. No entanto, as trocas de soco só saem conforme os quebra-cabeças se resolvem no canto da tela.

Hyper Street Fighter II

Hyper Street Fighter II: The Anniversary Edition reúne todos os personagens das versões anteriores da franquia. O elenco conta com lutadores presentes em Street Fighter II original e em Super Street Fighter II Turbo.

Super Gem Fighter Mini Mix

Mais uma vez os chibis aparecem na coletânea, no entanto, é para quebrar tudo em um crossover entre as franquias Street Fighter,  Darkstalkers e Red Earth — e nada de quebra-cabeças, aqui a pancadaria é liberada.

Gameplay de Capcom Fighting Collection

A Capcom escolheu uma maneira interessante para trazer de volta os jogos de luta. De forma mais organizada em relação ao Capcom Arcade Stadium — principalmente na parte dos menus e da disposição dos jogos.

Em Capcom Fighting Collection, os títulos ficam alinhados e podem ser aproveitados tanto em suas versões dos EUA quanto do Japão.

Capcom Fighting Collection - menu de escolha dos jogos
(Fonte: Jean Azevedo)
menu capcom fighting collection
(Fonte: Jean Azevedo)

Cada jogo tem seu esquema de controles, mas eles são totalmente personalizáveis. Além disso, no menu de pausa de determinados jogos — este acionado via touchpad do DualShock 4 e do DualSense — é possível mudar alguns elementos sem precisar voltar para a tela de seleção de personagens.

Dentre as configurações disponíveis, as alterações entre os filtros deixam cada uma das obras do jeito que os jogadores preferem revivê-las. Seja com um visual mais moderno em tela cheia, ou na resolução lançada originalmente.

Novos recursos deixam sessões mais interessantes

A Capcom mandou bem ao deixar o gameplay ainda mais interessante com o modo multiplayer online desses jogos clássicos. Sim, dá para se divertir em partidas casuais e ranqueadas em todos os títulos da coletânea.

Jogo Online - Capcom Fighting Collection
Menu de busca de partida online (Fonte: Jean Azevedo)

Além de os jogos contarem com o código de rede rollback — recurso capaz de aprimorar a resposta dos comandos enviados para o servidor —, dá para acompanhar as partidas dos amigos no Modo Espectador. 

Sobre a qualidade da conexão, não é possível oferecer uma opinião muito clara. O motivo é simples: nos testes, os adversários aparentemente não estavam na mesma região e um certo lag foi encontrado.

Modo Treino

Cada um dos jogos da Capcom Fighting Collection tem modos de treino que podem ser acessados de maneira diferente. Enquanto Street Fighter e a série Darkstalkers entregam um modo treino onde seus comandos são exibidos na lateral da tela, em Red Earth dá para desafiar os chefões do título.

Capcom Fighting Collection tem um cantinho para os fãs mais antigos

Outro recurso disponível na coletânea é o Museu. Nesta sessão, o player explora centenas de artes oficiais, conceituais, documentos de design e materiais exclusivos dos jogos de luta. Junto disso, 400 músicas dos games — incluindo remixes — aguardam os amantes das franquias.

Para melhorar, enquanto os jogadores estão na fila de busca por partida, é possível explorar o conteúdo disponível no modo até encontrar um adversário. O número de atrações pode ficar ainda maior, caso você adquira o jogo na pré-venda. Confira:

Novas ilustrações de:

  • Chisato Mita
  • Yuri Kataiwa
  • Ryuji Higurashi
  • Tamio
  • SAKUTAMO

18 faixas musicais remixadas por:

  • CAP-JAMS (8 faixas)
  • Knxwledge (6 faixas)
  • Mndsgn (1 faixa)
  • KEIZOmachine! (1 faixa)
  • Olive Oil (1 faixa)
  • Matt Cab (1 faixa)

Nada de bugs durante o teste

A experiência no PS5 via retrocompatibilidade não teve nenhum contratempo durante as sessões. Por outro lado, infelizmente Capcom Fighting Collection não permite fazer capturas de tela sem o jogo pausar — por isso, optamos por mostrar a maioria do conteúdo em vídeo.

Capcom Fighting Collection - street fighter
(Fonte: Jean Azevedo)

Capcom Fighting Collection não tem o suficiente para conquistar um novo público

Os jogos estão com um visual mais atraente, comandos responsivos e modo online competitivo, no entanto, isso pode não ser o suficiente para atrair um novo público. O motivo? Outros jogos de luta do mercado como Mortal Kombat, Injustice e o próprio Street Fighter V, da Capcom, são mais completos.

A entrega da coletânea parece um remaster. É bem feito? Sim. Mas não tem nada inovador para merecer a atenção de quem já se encontra engajado em outras propostas. É legal pela nostalgia ou pela experiência diferente dos jogos mais “reais” de hoje em dia, mas é só.

Outro fator que merece ser mencionado: os menus da coletânea estão em PT-BR, mas os games em si não receberam localizações para o nosso idioma — o que é uma pena.

Capcom Fighting Collection: vale a pena?

Se você é um amante dos jogos clássicos, vale a pena. A coletânea entrega as obras com fidelidade e adiciona recursos necessários para aumentar a qualidade de vida dos games. Seja através dos filtros para se divertir de maneira nostálgica ou colocando o modo multiplayer.

Já para o público geral, é válido consultar outras opções na loja da plataforma. Capcom Fighting Collection atende à galera mais jovem, mas os títulos não são tão trabalhados quanto os atuais, como Street Fighter V, por exemplo.

O jogo terá versões de PS4, Nintendo Switch, Xbox One e PC (via Steam). O lançamento será em 24 de junho de 2022.

Veredito

Capcom Fighting Collection
Capcom Fighting Collection

Sistema: PlayStation 4

Desenvolvedor: Capcom

Jogadores: 1-2

Comprar na Amazon
75 Ranking geral de 100
Vantagens
  • Entrega uma boa experiência com os clássicos
  • Para os amantes das franquias é interessante, principalmente pelo conteúdo extra
  • A chegada da série Darkstalkers ao Ocidente é um ponto positivo
  • Os comandos estão responsivos e o visual se mostra atraente
Desvantagens
  • Não tem o suficiente para conquistar um novo público
  • Para fazer capturas de tela, o jogo é pausado, dificultando criação de conteúdo
  • Jogos não estão em PT-BR
Jean Azevedo
Jean Azevedo
Redator
Publicações: 2.593
Jogando agora: Returnal
Talvez eu goste mais de Marvel's Spider-Man do que deveria.