Review

Conheça os Jogos da PlayStation Plus de Março

por Hugo Bastos
Conheça os Jogos da PlayStation Plus de Março

Parafraseando a matéria que detalha o anúncio oficial dos jogos a serem disponibilizados na PlayStation Plus de março, “depois do carnaval, vem as cinzas“. Mas é necessário ressaltar: são cinzas mais coloridas, mais cheias de vida e com um aspecto um tanto menos… “cinza”, por assim dizer.

Dessa forma, é certo entender que a intenção da Sony, neste aspecto, era trazer jogos que pudessem oferecer uma diversão mais descompromissada, mas igualmente imersiva. A prova disso são aqueles disponibilizados para sua plataforma principal, bem como os divertidos jogos para outras plataformas.

Conheçamos, então, o que encontraremos a partir de hoje (07) “gratuitamente”.

TEARAWAY UNFOLDED (PS4)

Tearaway Unfolded é, de forma direta, um poço de fofura. Versão expandida de Tearaway, lançado originalmente (e exclusivamente) para PlayStation Vita em 2015, o jogo faz uso de recursos do mundo real, interagindo-os com o gameplay virtual. A linha que divide os dois mundos torna-se mais tênue com essa divertida obra-de-arte.

O jogo conta a história do personagem mensageiro (que pode ser Iota ou Atoi, dependendo do gênero escolhido pelo jogador). Sua missão é entregar uma mensagem no portal que se abriu no céu, para o “Você” (sim, jogador. Sua foto/avatar estará no portal). Mas antes precisará enfrentar os inimigos conhecidos como “rascunhos“, que invadiram o mundo ao se abrir o dito portal.

Mas isso é o menos importante no jogo todo. O maior foco de Tearaway Unfolded é a constante interação do jogador com o gameplay. E não se trata de apenas controlar o personagem. O jogador deve modificar os ambientes, utilizar ferramentas do jogo para construir soluções, ajudar o mensageiro a derrotar inimigos… Tudo de forma interativa.

Um mundo belo e colorido, onde tudo é fofo e cativante.

Para isso, não serão apenas usados os recursos “pular/agarrar/rolar”. Adaptado para o PS4, o jogador pode usar o PlayStation App (celular) ou a PS Câmera para incluir seus desenhos no jogo, utilizar o touch pad para derrubar inimigos, enviar texturas a serem usadas no jogo.

E o mais divertido: as dobraduras de papel, uma vez desbloqueadas, podem ser enviadas ao site www.tearaway.me, e após impressas, montadas no mundo real.

Tearaway Unfolded quebra as barreiras que existem entre o mundo virtual e real, e traz um produto altamente interativo. Diretamente de www.tearaway.me

Veredito: Um jogo leve, divertido, imersivo e cativante. Perfeito para todos os gostos. Total e completamente recomendado (especialmente se você, jogador, tiver filhos).

DISC JAM (PS4)

Assim como Rocket League, Disc Jam será lançado diretamente como jogo gratuito da Plus aos seus assinantes (assim como estará disponível na loja virtual na mesma data a todos os que não o são). E assim como Rocket League, terá maior foco no multiplayer.

Desenvolvido pela High Horse Entertainment, formada por ex-funcionários da Activision que já trabalharam em jogos como Tony Hawk e Guitar Hero, combina elementos de tênis com air hockey. Um conceito estranho, mas certamente cheio de potencial.

A combinação dos elementos do jogo lembra bastante Windjammers, lançado para arcade e Neo Geo/Neo Geo CD ainda em 1994/1995. Os jogadores batalham em equipes de 1/2 jogadores, jogando com um disco voador, defendendo suas zonas e atacando as do adversário, enquanto desbloqueiam novas habilidades.

Uma versão beta para testes, limitada, foi liberada em fevereiro deste ano. As primeiras impressões foram bastante favoráveis, por conta de sua alta possibilidade de personalizações e gameplay online fluido, apesar de ressalvas quanto à sua apresentação e controles.

Disc Jam traduz-se também como um Pong do Séc. XXI.

Os veículos de comunicação foram enfáticos ao dizer que este jogo tem potencial para se tornar o próximo Rocket League (que se tornou sucesso instantâneo após seu lançamento). E para melhorar ainda mais, contará com multiplayer local.

Veredito: Uma vez que o jogo ainda não foi lançado, pouco pode ser dito sobre ele. Mas é visível o potencial que o jogo traz. Torçamos para que ele se concretize, e estejamos, de fato, testemunhando o nascimento de um novo sucesso.

LUMO (PS4/PSVITA)

Em uma definição básica, Lumo é um jogo de quebra-cabeças isométrico. O jogador deve passar por mais de 400 salas cheias de puzzles, com uma dificuldade sempre crescente. Indo mais a fundo, o jogo é uma tomada contemporânea no já esquecido gênero mostrado. Especialmente feito para aqueles saudosistas da era de ouro dos video games.

Apesar de estar disponível nos consoles mais recentes, Lumo é como uma viagem forçada ao passado. Uma imersão garantida, como o desembalar de um jogo antigo pela primeira vez. No entanto, jogadores mais novos podem não se impressionar tanto com essa abordagem.

Além disso, o jogo fica insanamente difícil perto do fim. As soluções, apesar de visíveis, dificilmente serão descobertas na primeira vez. E apesar de ser um jogo indie a possuir uma platina, esta é insanamente difícil (um dos troféus requer terminar todas as alas sem morrer mais de 3 vezes e sem salvar).

O objetivo do jogo é entrar e sair. Mais fácil falar que fazer…

E não apenas isso: a versão física do jogo para PS Vita está praguejada com diversos bugs e glitches, que previnem os jogadores sequer de completar certas fases. A definição dos controles, em certo momento, também não ajuda (escolha a configuração errada e não passará da primeira sala).

Mesmo assim, é um jogo interessante. Especialmente pelo fato de evocar tantos bons sentimentos nostálgicos dos jogadores de longa data.

Veredito: Apesar de inicialmente intimidador, e de certa forma feito para poucos, é um jogo a se considerar. Especialmente aqueles que gostam de um desafio destruidor.

UNDER NIGHT: IN BIRTH (PS3)

Under Night é uma mistura dos gêneros Visual Novel e luta. O título possui uma jogabilidade diferente, que recompensa aqueles que o jogam “corretamente”, o que pode ser observado pelo seu sistema de luta único chamado “Grind System“. Um sistema deveras complicado, especialmente pelo fato de não haver um tutorial dentro do jogo para auxiliar os mais inexperientes.

Como costumeiro em jogos assim, Under Night possui uma história intrincada. Um fenômeno apelidado de “Noite Vazia” envolve certas regiões do Japão uma vez por mês a séculos. Cada área coberta é tomada por monstros chamados “Vazios” (voids). Pessoas atacadas por estes monstros, caso não morram, ganham habilidades especiais.

No meio desse fenômeno surgem organizações que tentam manter a ordem, seja por meio da luta contra as criaturas, ou proteção aos civis. Esse enredo é a base para um título com jogabilidade refinada, como Guilty Gear ou Blazblue, com a adição de novas mecânicas inéditas.

Apesar de contar com alguns pequenos detalhes técnicos, é um jogo que agrada tanto novatos quanto veteranos no gênero.

Veredito: Ótimo para os amantes de jogos de luta, especialmente aqueles ao estilo anime. Possui uma dificuldade menos punitiva que outros, como Arcana Hearts, o que deve agradar a uma parcela maior de jogadores.

Earth Defense Force 2025 (PS3)

Um jogo como não se vê há algum tempo na lista da PS Plus, Earth Defense Force 2025 (EDF 4 em terras nipônicas) é um jogo de tiro em terceira pessoa, com uma jogabilidade que lembra bastante os filmes da saga “Tropas Estrelares”. Com diversos níveis de dificuldade e inúmeras missões, certamente é um jogo para ser destrinchado por longos períodos.

A história é bastante simples e direta. Em 2025, a Força de Defesa da Terra (EDF), criada para repelir ataques alienígenas hostis, precisa proteger o planeta mais uma vez, após os acontecimentos de EDF 2017. Dessa vez, o ataque consiste em insetos gigantes e criaturas mecânicas.

A jogabilidade é basicamente a mesma de todos os jogos do gênero. Atirar em tudo o que se move pela tela, ir para o próximo estágio, repetir o procedimento. E só parar quando não houverem mais inimigos em pé. Algo que pode soar maçante em determinados momentos, apesar da diversidade de classes e armas disponíveis.

O jogo possui modos cooperativos local e online. E existem missões extras que apenas podem ser acessadas jogando-se por estes modos, o que vem a dar sobrevida ao game. No entanto, por possuir uma duração muito extensa (mais de 85 missões), e uma repetitividade alta, os jogadores tendem a se cansar antes mesmo de aproveitar tudo o que ele tem a oferecer.

Veredito: Um jogo divertido que peca em diversos aspectos, como história, controles e trilha sonora. Mas ainda assim, pode render algumas horas de diversão.

SEVERED (PS VITA)

Severed é um daqueles jogos que fazem valer a pena ter um PlayStation Vita. Dos criadores de Tales from Space: Mutant Blobs Attack e Guacamelee, é um jogo do gênero dungeon crawler, em primeira pessoa. Com uma premissa básica de utilizar as mecânicas disponíveis para o portátil, e uma história intrincada, com jogabilidade refinada.

O jogador controla Sasha, perdida em um mundo fantástico, enquanto tenta juntar as peças da sua história, do passado e do futuro. Durante sua jornada, o jogador destravará habilidades, descobrirá segredos, e crescerá em poder, tanto ofensiva quanto defensivamente.

O que faz esse jogo tão bom é exatamente sua jogabilidade refinada. Tudo nele funciona como deveria, como em poucos jogos utilizam as mecânicas de toque do PS Vita. Os ataques são feitos ao estilo Fruit Ninja, com o jogador deslizando o dedo na tela de toque em pontos específicos, para desmembrar os inimigos (daí o nome do jogo).

Assim como em Dead Space, Severed também utiliza a mecânica do “desmembramento tático”. Só que aqui, mais divertida e cartunesca.

A exploração é outro ponto alto do jogo, com diversos segredos a serem descobertos, e estágios com level design inteligente e instigador. A trilha sonora é cativante, e os inimigos são igualmente engraçados e desafiadores. E o jogo conta ainda com um troféu de platina, para alegrar o dia dos caçadores mais ávidos.

Veredito: Jogue até descobrir todos os segredos. E depois, jogue ainda mais.

Como visto, a lista de jogos da Plus para este mês de março vem recheada de opções coloridas e divertidas, para contrastar com a época um tanto sombria que representa a quaresma cristã. Mas diga, caro jogador: quais suas opiniões sobre os jogos vindouros? Não deixe de compartilha-las conosco.

Hugo Bastos
Hugo Bastos
Publicações: 664
Jogando agora: Nada no momento.
Hugo Bastos e revisor do Meu PS4, apreciador de uma boa comida, e de platinas difíceis. E viciado em Rogue Legacy, OlliOlli2, Dead Cells, e não dispensa uma boa noite de jogatina.